Na cultura cigana, quebranto é um sortilégio que se lança pelo olhar para enfeitiçar alguém. No CD “Quebranto”, Yamandu Costa e Alessandro Penezzi produzem esta magia unindo seus violões em 13 faixas que reúnem seis composições da dupla, além de homenagens aos mestres do dois instrumentistas. O paulista Alessandro Penezzi é um multi-instrumentista (bandolim, flauta além do violão) e conheceu Yamandu Costa há 15 anos. Yamandu destaca que Penezzi, assim como ele, teve acesso à música de fronteira, e que o encontro dos dois se deu de forma muito natural. Em uma reverência aos mestres de ambos, a dupla gravou “Valsa Seresteira Nº 1”, de Sérgio Belluco, um professor que formou muita gente na região de Piracicaba (SP) e que foi importante no aprendizado de Penezzi. Yamandu, por sua vez, reverenciou seu professor Lucio Yanel, com uma parceria entre ambos, “Meus Gurizinhos”. Completam o repertório “Dayanna” (Alessandro Penezzi), “Samba pro Rafa”, “Bolero Negro” e “Saracoteco”, todas de Yamandu Costa. O título do CD, “Quebranto”, vem de uma composição de Penezzi, que assim foi “batizada” por Yamandu. E gerou uma bela ilustração na capa, resultado de uma pesquisa na obra do artista gráfico paulista Stephan Doitschinoff,. “Esta capa é referente à linguagem latina de forma geral, uma linguagem cigana, mundana, e que tem a ver com o violão que a gente toca. Por isso nós acabamos chegando nesse nome, Quebranto, como se fossem os violões conquistando a mulher na roda de fogo, em um ambiente festivo, zíngaro, gitano”.

Compartilhar: